Entrevista com Antônio Inácio Ribeiro

CRO-DF

 

 

GESTÃO E MARKETING NA ODONTOLOGIA

 

 

Nosso entrevistado é professor de marketing da São Leopoldo Mandic, diretor da revista GEMA – Gestão e Marketing na Área da Saúde, já tendo publicado 31 livros e mais de 1.200 artigos, dos quais mais de 700 no exterior, além de ministrado mais de 300 cursos e palestras na área de motivação e marketing.

 

Gil A que você atribui o sucesso do seu curso no CRODF?

Ribeiro A gestão e o marketing são a alternativa para a Odontologia dos novos tempos. As quase 200 faculdades formando cerca de 1.000 novos CDs/ano e os mais de 300 centros de especialização, colocando por volta de 1.000 novos especialistas/ano no mercado, o deixaram extremamente competitivo. Neste novo cenário é natural o grande interesse pelos meus assuntos.

 

Gil A recente crise mundial colabora neste sentido?

Ribeiro Sem dúvida, vamos ter um agravamento da situação no setor. As pessoas vão destinar menos aos seus cuidados da saúde bucal e o marketing pode ser o instrumento de conscientização por novos motivos para que mais concorram aos consultórios, além da dor e da estética. Só que isso precisa ser feito por quem domine estas ferramentas.

 

Gil O cursos de graduação em Odontologia abordam estes temas?

Ribeiro O único curso que tinha esta disciplina estava no estado do Rio de Janeiro, mas a tendência de redução dos programas de Odontologia para cursos de quatro anos, fez com que ela fosse extinta. Em algumas poucas faculdades eles são apresentados em forma de disciplinas optativas, que para alunos ávidos em conhecimentos tecnicistas, não motivam muito.

 

Gil Que funções podem ter as entidades de classe neste sentido?

Ribeiro Certo está o CRO em promover estes cursos, já que a maioria não os inclui em suas programações. A presença de 250 profissionais no do Rio e 180 no de São Paulo é prova deste interesse e necessidade. Por isso acho que os outros CROs deveriam aproveitar a idéia e fazer destes cursos, uma forma de melhorar a auto estima dos Cirurgiões Dentistas.

 

Gil Qual foi o tema básico do seu curso?

Ribeiro O tema principal deste curso de quatro horas é Como não perder e assim ganhar mais clientes, já que hoje se perdem mais clientes do que se conquistam novos, pelo simples crescimento geométrico do número de novos Cirurgiões Dentistas e o crescimento aritmético da população. Com isso é normal que a maioria reclame estar com menos pacientes.

 

Gil Desde quando este processo vem acontecendo?

Ribeiro Não existe um momento preciso, mas certamente com a entrada do novo milênio e a com a globalização, os anos dois mil foram quando este efeito se fez sentir com mais força, trazendo conseqüências a toda a comunidade odontológica. Esta década tem se caracterizado por um esvaziamento dos consultórios particulares e a procura por soluções alternativas.

 

Gil Como foi a reação dos que os assistiram?

Ribeiro A cada motivo de perda de pacientes, sua análise no porque eles estão acontecendo e a proposta de alguma sugestão como forma de solução, percebia um aumento de interesse dos presentes. Eles não saiam do auditório e cada vez mais fixavam atenção nas minhas propostas. Além disso, nos dias que se seguiram ao curso, recebe dezenas de e-mails elogiando e pedindo mais sugestões para enfrentar a crise.

 

Gil Qual é sua motivação em ministrar estes cursos?

Ribeiro Quando os apresento em entidades de classe, sem finalidade de lucro, como aconteceu aqui em Brasília, não cobro honorários e aproveito o curso para difundir meus livros na área e a revista GEMA, que é focada nestes temas. A possibilidade de divulgar meus outros cursos também me estimula, pois em quatro horas não se tem como aprofundar estes temas.

 

Gil Que vantagem eles podem trazer a quem o promove?

Ribeiro No caso específico dos CROs, é mostrar os caminhos para a conquista de novos clientes, além da manutenção dos antigos. Os Conselhos se posicionam melhor perante a classe e dão assim uma demonstração de interesse na busca conjunta soluções para os problemas que afligem os seus inscritos. Sem contar que esta é uma forma de devolver parte do que é arrecadado, em conhecimentos e benefícios.